Vigilantes do Hospital de Limoeiro sentem no armário atrasos nos salários


A saga dos vigilantes do Hospital Regional José Fernandes Salsa (HRJFS), em Limoeiro, continua. Com dois salários e três vales refeição atrasados, os profissionais começam a sentir a dificuldade nos armários. A empresa RIMA Segurança justifica os atrasos alegando que o Governo do Estado não vem repassando o valor do contrato nos últimos meses. “A feirinha é sagrada. Não sei mais o que fazer, pois não posso comprar comida no mercado tendo uma (conta) dentro”, comentou um vigilante. Dos três vales atrasados, a empresa RIMA Segurança pagou apenas um. Mas nem todos tiveram a mesma “sorte”. 

A nossa reportagem coletou a informação na portaria que dos 18 vigilantes lotados no HRJFS, 03 ficaram sem o dinheiro que ajuda na feira.  Sem previsão de receber os salários, muitos profissionais já pensam em largar o serviço e procurar outra atividade. Indagado o motivo da não paralisação, assim como aconteceu no Hospital Regional do Agreste, em Caruaru, onde todos os vigilantes cruzaram os braços, um revelou que todos os postos de trabalho são indicações políticas, o que enfraquece a categoria na hora de cobrar pelos direitos. 

O Ministério Público do Trabalho (MPT) reuniu representantes do governo e da empresa de segurança em audiência no último dia 30 de julho. De saldo, o sindicato da categoria (SINDESV) saiu sem uma resposta positiva. O MPT determinou no despacho da audiência que a “Rima Segurança providencie o levantamento e a inclusão dos valores devidos a título de pensão alimentícia, a fim de que esses valores possam vir a ser liberados pelo Estado e o restante, objeto de parcelamento, conforme almeja o Estado de Pernambuco. (Imagem | Divulgação)