Prefeito afirma que Limoeiro não está preparado para assumir iluminação pública


Com a mediação do Ministério Público de Pernambuco (MPPE) e das Comissões de Justiça e de Negócios Municipais da Assembleia Legislativa de Pernambuco (Alepe), foi firmado termo de acordo entre a Companhia Energética de Pernambuco (Celpe) e a Associação Municipalista de Pernambuco (Amupe) para celebrar a transferência de ativos de iluminação pública para os municípios. Com isso ficou definido que no dia 22 de junho, as prefeituras assumirão de vez a responsabilidade pela iluminação pública.

A decisão divide opiniões. Em Limoeiro, a administração do serviço não é vista com simpatia pelo prefeito Thiago Cavalcanti. Ele revelou na Rádio Jornal que a cidade não está preparada para receber o parque elétrico e criticou o sucateamento da Celpe. “Nenhum município está preparado, isso afirmo com propriedade. Os parques elétricos estão acabados. Passamos uma semana com motoqueiros durante a noite registrando os pontos que estão com a iluminação comprometida e enviamos um ofício à Celpe. Espero que, no mínimo, quando a Celpe repassar venha com tudo funcionando”, disse o gestor.

Thiago disse acreditar que até o final do mês possa surgir uma novidade, tendo em vista o trâmite no Congresso Nacional de uma medida que quer derrubar a decisão da Agência Nacional de Energia Elétrica, que determina a obrigatoriedade das prefeituras assumirem a responsabilidade pela iluminação. Em relação ao valor arrecadado com a taxa de iluminação, o gestor afirmou que o dinheiro não paga as despesas dos prédios públicos com o consumo elétrico mensal. “Atualmente arrecadamos R$ 80 mil e pagamos R$ 140 mil com o consumo dos prédios públicos e praças. Não é interessante para prefeitura, mas se tivermos mesmo que assumir vamos honrar o compromisso, pois a população não pode ficar a mercê”, pontuou. (Imagem | Divulgação)