Bom Jardim não garante espaço dos artesãos na Fenearte e apoio fica restrito


O sonho de todo artesão é participar da Feira Nacional de Negócios do Artesanato (Fenearte). Para isso, muitas prefeituras pernambucanas adquirem estandes do evento para garantir a presença do artesanato local. Limoeiro, Lagoa do Carro e Orobó são algumas prefeituras da região que adotam a medida com o objetivo de valorizar o talento dos artesãos.

Mas no município de Bom Jardim, a história não é tão simples. Para conseguir espaço na Fenearte, os artesãos precisam pegar “carona” em estantes de outras entidades. É o caso do artesão Marcos Ferreira, 56, anos, ou simplesmente o “Marcos do Artesanato”. Como a prefeitura de Bom Jardim não adquiriu um estande oficial, Marcos precisou conseguir espaço no estande do PAB (Programa do Artesanato Brasileiro), cedido pelo Governo do Estado.

Por telefone a reportagem do Blog do Agreste conversou com o diretor de Cultura de Bom Jardim, Herbert, que confirmou a inexistência de um estante exclusivo da prefeitura de Bom Jardim.  Porém, ele disse que a administração municipal estava dando apoio ao artesão Marcos. Quando indagado sobre o motivo de a prefeitura não ter comprado um estande para participação dos bonjardinenses em sua totalidade, o diretor disse não saber o motivo. 

A nossa reportagem tentou por duas vezes contato com o prefeito Jonatas Miguel, mas a atendente da prefeitura informou que o gestor estaria ausente. Também por telefone mantivemos contato com Marcos do Artesanato, que já está na cidade do Recife, na residência de um irmão, nos preparativos para a abertura da feira. Ele contou que recebeu uma ajuda da prefeitura no combustível do seu veículo particular, além de um banner e cartões de visita confeccionados pela prefeitura. Nas demais despesas, o próprio artesão terá que arcar.

Como não tem condições de adquirir um estante, que custa em torno de R$ 1,5 mil, Marcos revelou que conseguiu apoio no estande do PAB para expor seus produtos, além da atenção do prefeito de Lagoa do Carro, Jailson do Armazém, que o autorizou colocar aproximadamente dez peças no espaço da “Terra do Tapete”. 

Arte – Marcos do Artesanato trabalha com escultura em pedras, transformando o bruto em formatos de animais, a exemplo de corujas e elefantes. Este ano, o bonjardinense levou em torno de 150 peças para a Fenearte, com preços que variam entre R$ 20 e R$ 500. Segundo Marcos, o estande do PAB fica na Rua 9. Marcos também confirmou que existem muitos outros artesãos no município de Bom Jardim, mas que continuam ocultos no cenário regional e nacional.