Taxistas de Limoeiro formam associação para facilitar acesso ao Recife


Com a proibição dos taxistas do interior de terem acesso ao Recife, os profissionais de Limoeiro entraram em acordo e formaram uma associação para representar a classe e tentar uma solução para o bloqueio decorrente da Lei Municipal 16.504 de 1999, estabelecida pela prefeitura do Recife, que prevê que os taxistas de outros municípios não podem embarcar passageiros na capital pernambucana, muito menos circular pela cidade com a placa luminosa. 

Depois de várias reuniões e debates ficou definido que a Associação dos Taxistas de Limoeiro terá o direito de emitir um documento para cada viagem. Caso o motorista seja abordado pela fiscalização da CTTU nas ruas do Recife, ele deverá apresentar a autorização. “Essa proibição da prefeitura (do Recife) desencadeou a criação da Associação dos Taxistas de Limoeiro. A polêmica ainda continua, mas com a entidade vamos ter a emissão de um documento com as informações do taxista e dos passageiros, o que vai permitir o desembarque o embarque do passageiro para sua cidade de origem”, explicou o presidente da associação, Wellington Soares. 

Segundo o presidente, dos 100 taxistas cadastrados na secretaria de Trânsito de Limoeiro, 50 se associaram. Eles pagam uma mensalidade de R$ 20 por mês para custear o aluguel da sede e as despesas administrativas. “Esperamos que nos próximos dias outros taxistas possam se associar e fortalecer a nossa classe”, disse Wellington. Em relação aos valores, segundo o presidente, uma tabela está sendo definida, para que não haja cobranças abusivas nas cobranças das viagens. (Imagem | Internet)